27/11/2007

Um possível perfil do trabalhador da construção civil (2/4)

Apenas dois trabalhadores têm um Curso Profissional, um com a designação “Construção Civil - nível 3" e outro com a designação "Técnico Profissional de Construção Civil";

Cerca de 57% dos trabalhadores começou a trabalhar com idade inferior a 16 anos e 21% indicaram a idade de 14 anos;

Em geral os trabalhadores associam correctamente os riscos que correm com a actividade que desempenham, por exemplo: 100% da categoria profissional “Serralheiro” e 65% da categoria profissional “Electricista” assinalam “queimadura”, 85% da categoria profissional “Trolha” assinala “queda em altura” e 55% da categoria profissional “Calceteiro” assinala “atropelamento”;

É interessante notar que a maior parte dos trabalhadores consideram importante o uso do Equipamento de Protecção Individual as “botas de sola e biqueira de aço”, não se inibiram de não assinalar o “capacete” mesmo aqueles que deviam e igualmente revelam-se populares as “luvas” atravessando todas as categorias profissionais;

A maior parte dos trabalhadores que “sente vertigens” são mesmo aqueles que trabalham no chão, por exemplo nos “Calceteiros” e nos “Cantoneiros” as percentagens são elevadas, respectivamente 33% e 35%, com excepção dos “Pedreiros”, com 43% afectados, mas que pela designação da categoria profissional não se pode afirmar que estejam no lugar errado;

As respostas maioritariamente positivas sobre o estaleiro são inesperadas e presumo que se deve ao facto de se dar correntemente a designação de estaleiro à sede da empresa. Relativamente às instalações sanitárias, todos sabemos!, que a maioria dos estaleiros propriamente ditos, aqueles que fazem parte do orçamento da obra e incluem o fornecimento de instalações sanitárias, raramente têm instalações sanitárias;

A percentagem de trabalhadores, que não conhece o Técnico de Segurança e Higiene, assim como a negação da “consulta de medicina no trabalho” significa que não se cumpre com a legislação em vigor.

Sem comentários: